BLOG

Qual a melhor forma de combinar estilos de decoração?

  • 25 de fevereiro de 2016
  • 19h02

A combinação entre o estilo clássico e o contemporâneo é uma das mais preferidas quando o assunto é a decoração do lar

Mesclar estilos para decorar o lar deixa o ambiente mais sofisticado. Hoje em dia é muito difícil encontrar uma decoração que seja, por exemplo, completamente contemporânea ou inteiramente boho. O mix de tendências colabora com a criação de um estilo próprio e, por isso, é cada vez mais usado por arquitetos e designers para fazer composições que sejam únicas para seus clientes.

De todas as misturas de estilos que existem uma em especial é sempre muito requisitada: o clássico com o contemporâneo.  Inserido em um projeto atual, o móvel clássico ajuda a valorizar e harmonizar o ambiente, e pode ser o destaque do espaço.

A designer de interiores Laura Santos costuma incluir esse recurso nos seus projetos. “A mistura de móveis de épocas diferentes faz do ambiente um local sofisticado e pessoal. Os clássicos vão dar a personalidade que os espaços precisam. Os contemporâneos carregam a tecnologia e a tendência atual de decoração. Cadeiras e chaises clássicas, por exemplo, ficam lindas em um espaço contemporâneo”, explica a designer.

A arquiteta Adriana Morávia, do escritório Morávia & Arquitetura Interiores, dá dicas de como deve ser feito essa mistura para obter melhor resultado. “ A combinação pode ser sutil, inserindo uma peça clássica em um ambiente todo contemporâneo. Agora, se a intenção do projeto é criar uma ambientação mais sofisticado, muitas vezes o móvel antigo, de madeira escura, pode não combinar e deve ser evitado”, ressalta a profissional.

Ao fazer combinações, é preciso levar em conta o gosto dos clientes, a escolha dos materiais, a quantidade dos elementos a serem inseridos e o estilo do projeto como um todo.

Vale ressaltar que manter o equilíbrio é fundamental ao mesclar elementos clássicos com um projeto contemporâneo, a fim de conferir leveza ao ambiente. A combinação traz personalidade e exclusividade à casa, especialmente quando peças antigas, que às vezes são herança de família, são inseridas do projeto.  

Fotos: Osvaldo Castro
unnamed